Return to site

Princípios da Doutrina Social da Igreja e suas aplicações

· Introdução à DSI,Aplicação da DSI

Neste site do Instituto São Pedro de Alcântara (ISPA), estão disponíveis vários estudos de casos nos quais os princípios da Doutrina Social da Igreja (DSI) foram aplicados na prática.

Esses artigos são muito importantes para desmistificar muitas interpretações errôneas a respeito desses princípios e, principalmente, para demonstrar que é perfeitamente possível aplicar no dia a dia o que a DSI nos ensina.

Contudo, antes de procedermos às análises de caso sobre a aplicação dos princípios da DSI, é importante ter em mente quais são eles e o que significam. São cinco os princípios: Bem Comum, Subsidiariedade, Destinação Universal dos Bens, Participação e Solidariedade. Em breves palavras e de modo simples, pode-se dizer o seguinte:

  • O princípio do Bem Comum estabelece que deve haver na sociedade condições para que todas as pessoas se desenvolvam integralmente e de forma plena, por meio de suas habilidades e talentos.
  • O princípio de Subsidiariedade estabelece que uma instância superior só pode interferir na inferior quando esta não for capaz de resolver um problema por conta própria. .
  • O princípio da Destinação Universal dos Bens determina que devemos proporcionar o melhor uso das coisas materiais segundo a intenção com a qual elas foram feitas. Temos de administrar com justiça, piedade e discernimento todos os bens, principalmente os bens próprios, segundo a necessidade e a dignidade da pessoa humana.
  • O princípio da Participação reconhece que o indivíduo tem autonomia para participar das organizações de ações coletivas que a todos beneficiam. Estas ações coletivas possuem o intuito de resolver questões menores deixando as maiores e mais urgentes para outros setores competentes.
  • O princípio da Solidariedade mostra que existe uma responsabilidade social dos indivíduos uns para com os outros, de modo a atender sempre a dignidade humana concedida por Deus.

Geralmente, os princípios da DSI estão muito interligados e, por essa razão, quando se tenta atender uma questão político-social com a aplicação de um deles, os outros também são aplicados, direta ou indiretamente.

Tendo isso em mente, vejamos a seguinte situação:

Digamos que, num bairro qualquer de uma cidade, uma avenida esteja completamente degradada pela falta de cuidado com o local. A iluminação não funciona bem porque as árvores há muito tempo não são podadas e acabam cobrindo algumas das lâmpadas dos postes. Suponhamos também que exista uma grande quantidade de lixo exposto e que até a segurança das pessoas que ali trafegam está comprometida. Diante desses fatos, poder-se-ia dizer que é razoável pensar nessa questão como total responsabilidade da prefeitura local e que, por uma questão de justiça, os moradores deveriam exigir que isso fosse resolvido pela autoridade pública... Correto?! Errado! Segundo os princípios da DSI, essa não é a melhor forma de resolver o problema. Vejamos agora como seria uma possível resolução da situação citada, de acordo com a Doutrina Social da Igreja Católica.

Primeiramente, segundo o princípio do Bem Comum, não adiantaria em nada se cada um pensasse somente em si mesmo e tentasse resolver o problema apenas na área imediata que correspondesse a sua própria residência. Se os vizinhos não podem ter a mesma atitude, o problema não se resolveu. Então, impelido pelo princípio do Bem Comum, cada indivíduo deve pensar não somente em si, mas na condição em que se encontra toda a sua vizinhança.

Tomando como referência o princípio da Participação, os moradores do bairro podem promover e participar de uma associação formada por eles para que sejam avaliados todos os problemas existentes no local e qual a melhor forma de resolvê-los. Considerando o princípio da Subsidiariedade, todos devem ter consciência de que eles mesmos são os maiores prejudicados pela situação precária da avenida e são eles mesmos que devem se organizar para resolver. Movidos pelo princípio da Destinação Universal dos Bens, cada um agora deve dispor de suas capacidades e bens para ajudar. Alguns vão doar dinheiro para comprar acessórios e equipamentos; outros vão se dedicar a colocar a mão na massa; outros ainda vão tentar parcerias com a prefeitura para os serviços que não podem ser feitos por eles. E por fim, segundo o princípio da Solidariedade, todos podem se ajudar mutuamente cada qual segundo suas capacidades.

Se após a leitura dessa análise de caso você ainda tiver a impressão de que a aplicação da DSI é uma proposta utópica, saiba que foi exatamente isso o que aconteceu na cidade de Fortaleza, CE. Na Avenida Valparaíso, localizada no Conjunto Palmeiras, os moradores se mobilizaram e conseguiram resolver um problema social utilizando os princípios da DSI, ainda que o tenham feito sem ter consciência de que aplicaram os princípios. Leia na íntegra a reportagem sobre o episódio:

Daniel Pinheiro

All Posts
×

Almost done…

We just sent you an email. Please click the link in the email to confirm your subscription!

OK